A Parábola do Semeador Explicação

A Parábola do Semeador Explicação

Era a semana de número 26 do Ministério de Jesus, quando Ele contou uma história que ficou conhecida como a parábola do semeador, explicação registrada nos Evangelhos de Mateus 13:1-23, Marcos 4:1-25, e Lucas 8:4-18. Jesus estava na Galileia, junto ao mar da pesca maravilhosa, em que acalmou a tempestade.

O Mestre começou a ensinar a multidão por meio de parábolas, um recurso literário do Hebraico, que trazia nas histórias, muitos dos aspectos da vida cotidiana dos Seus ouvintes. O povo da região da Galileia tinha como principal ofício a agricultura e a pesca.

Grande parte das pessoas que ouviam a Jesus, naquele dia, eram semeadores, e por esse motivo, teriam total afinidade com as palavras que saíam da boca do Mestre. Além disso, há naquelas proximidades, terrenos de tipos variados, com locais de terra boa para o plantio.

O norte de Israel possui a terra preta, ótima para o crescimento das sementes. Há também, perto das montanhas, um solo mais pedregoso. É comum haver plantas espinheiras, como a que foi usada para fazer a corôa de espinhos da crucificação.

Do lugar onde Jesus estava, era possível avistar todos esses terrenos.

Quem é o semeador?

Originalmente, na parábola, o semeador é Jesus. Foi Ele quem começou a boa obra da pregação do Evangelho, que é representado pelas sementes lançadas. Antes da Sua ascensão, o Mestre convocou os Seus discípulos e os deu a grande comissão, para continuar a semeadura em todo o mundo.

Atualmente, todos os Cristãos são considerados semeadores em potencial, bastando apenas entender e aceitar o bom chamado do nosso Senhor, e passar a semear os corações férteis das nações, prontos para frutificar.

A parábola do semeador explicação

E falou-lhe de muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis que o semeador saiu a semear.
Mateus 13:3

No verso de Mateus 13:19 em diante, o Mestre passou a fazer a explicação sobre a parábola do semeador. Os tipos de solo em que as sementes caíram, simbolizam os corações humanos. O termo “humano”, vem do Hebraico אָדָם “Adam”, que é da raiz אֲדָמָה “adamah”, que significa “terra/solo”.

Segundo o nosso Messias, há quatro tipos de terrenos (corações), que contém os solos:

  1. Endurecidos – são os solos que estão à beira do caminho, endurecidos pelas pisaduras das pessoas que por ali passam;
  2. Pedregoso (pedregais) – terrenos com uma fina camada de terra por cima, porém rochosos e duros logo abaixo da superfície;
  3. Solo espinhoso – é um terreno que precisa de limpeza, para retirar essas “ervas” espinhosas; e
  4. Solo bom – terra boa, em que as sementes encontram condições favoráveis para crescer e frutificar.

O solo pedregoso

E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda;
Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz.
Mateus 13:5,6

O solo (ser humano) pedregoso é aquele em que nada consegue criar raiz, pois é terreno raso. E Evangelho sem profundidade se torna vulnerável. Sem a prática da santidade, que envolve leitura da Palavra, meditação, jejuns e oração, o “Cristão” não consegue entender que no mundo passamos por muitas aflições.

Porém “sem raízes”, ele rapidamente se escandaliza. Compara a sua “vida muito mais fácil”, enquanto não era da luz, pois quem é de Deus vive de acordo com os mandamentos do Eterno. Esses são os que se deixam seduzir pelas obras da “carne”, que é a inclinação para fazer o mal.

O solo espinhoso

E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na.
Mateus 13:7

O solo espinhoso é outra alegoria que a parábola do semeador trata. Espinhos são alegorias de temas difíceis de abordar, bem como para problemas ou dificuldades. Os espinhos simbolizam as pessoas que são extremamente sensíveis aos cuidados da vida, e que possuem um desejo exagerado pelo “sucesso material”.

Esses desejos e cuidados invariavelmente sufocam o Evangelho, fazendo com que essas pessoas se desviem do caminho.

Evangelho não é sucesso financeiro! Evangelho é renúncia pessoal, quando deixamos de fazer a nossa vontade, para cumprir a vontade de Deus, que está expressa nos mandamentos que Ele nos deixou na Sua Palavra.

À beira do caminho

E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na;
Mateus 13:4

Jesus uma vez explicou que Ele é o caminho que leva à vida. E o semeador lançou sementes que caíram à beira do caminho. É uma tipologia usada pelo Mestre para ilustrar pessoas que não estão trilhando o caminho da salvação.

O solo que fica à beira do caminho se torna endurecido por causa das pisadas que recebe ao longo do tempo. As pessoas literalmente passam por cima desse solo, e o endurecem. É outro símbolo do coração humano, que por causa de experiências ruins, vai se tornando duro.

Há tanta maldade no mundo! Há tanta desgraça que acontece! Mas na sua maioria, são causadas pelas ações ou omissões dos próprios seres humanos. Porém há pessoas que não conseguem lidar com as perdas na vida.

E quando são enganados, ou maltratados, ou passam por situações dolorosas diversas, culpam a Deus e endurecem os corações, de forma que a semente, a palavra de Deus não consegue penetrar no interior dos seus pensamentos.

Conforme explicou o Salvador, as aves na parábola, representam as forças do mal. Vindo o tentador, ele trata de levar as sementes, de fazer com que se esqueçam de todas palavras que lhes foram ensinadas da parte de Deus, lançando em face todas as más experiências que tiveram.

Em boa terra

E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta.
Mateus 13:8

O boa terra que a parábola do semeador fala, é aquela em que a semente consegue penetrar profundamente no solo e criar raízes. São corações que entendem e compreendem a Palavra de Deus. São aqueles que estão dispostos a aprender a se renovar em conhecimento.

Há muita gente que não tem esse desejo, de conhecer verdadeiramente a Palavra do Eterno. Muitos querem saber para tentar adaptar a Palavra às suas religiões. Para justificar as suas crenças, os seus costumes, as suas tradições.

Mas quando a Palavra vai contra todas essas convicções pessoais e religiosas, logo esses a ignoram, dando outros sentidos, outras interpretações. Essa não é a boa terra. Esses, ao contrário, são os que “vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem nem compreendem”.

E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz:Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis,e, vendo, vereis, mas não percebereis.
Mateus 13:14

Há muitos que se enganam pensando que são terra boa. A boa terra é aquela em que a semente tem liberdade para crescer e ser a semente que foi plantada, totalmente nova.

Sem tentativas de adaptações!

O que mais tem nesse mundo, são grupos religiosos que não querem se renovar, nem mesmo receber uma reconstrução total por meio da Palavra. O que a maioria deseja é apenas dar uma “melhorada”.

Renovação, reconstrução, novo nascimento é algo que dá muito trabalho!

Você pensa que as pessoas querem ser transformadas? A maioria não quer! Dá muito, muito trabalho ser renovado!

Você acha que as pessoas querem reaprender toda a tradição que escutam, desde que eram crianças?

Mesmo que a Bíblia tenha muitas informações, conselhos, mandamentos que são incompreendidos até hoje, e que precisam de um aprofundamento, de estudos mais detalhados, a maioria não se importa mais.

Mesmo que haja comportamentos que são no mínimo inadequados para os que se dizem Cristãos, a maioria já não se importa de ter uma aparência igual a dos ateus mundanos.

  • Divórcios por qualquer motivos;
  • Ajuntamentos de casais sem passar pelo casamento;
  • Lascívia, fornicação, adultérios;
  • corrupção, subornos, “gatos de luz”;
  • falsos testemunhos (fofocas);
  • pornografias, vestimentas sensuais.

A verdade é que as pessoas não querem mudar, porque não querem deixar de praticar as obras da carne que acabei de citar. Elas querem no máximo dar uma “melhoradinha”. De forma que se cumpre neles as palavras do Profeta Isaías:

Porque o coração deste povo está endurecido, E ouviram de mau grado com seus ouvidos, E fecharam seus olhos; Para que não vejam com os olhos, E ouçam com os ouvidos, e compreendam com o coração, e se convertam, e eu os cure.
Mateus 13:15

A boa terra é aquela que deseja cumprir a vontade do Eterno, os Seus mandamentos. Boa terra é aquela que anula a sua vontade, e busca fazer a vontade do Criador. Permitindo que a semente, que é a Palavra de Deus, frutifique na sua vida.

Os frutos a cem, sessenta e trinta

…e dá fruto, e um produz cem, outro sessenta, e outro trinta.
Mateus 13:23

Não é raro encontrar pessoas que pensam que dar fruto, que a parábola do semeador se refere, é convidar o máximo de pessoas para assistir a um “culto” de Igreja. Tem gente que continua acreditando que dar fruto é lotar os bancos dos templos.

Mas como vimos anteriormente neste estudo bíblico, você pode “entupir” a sua congregação de pessoas, mas continuar a praticar todas as más obras que descrevemos no tópico “boa terra”, acima.

E se dar frutos a cem, a sessenta e a trinta, não é trazer gente para dentro das Igrejas, o que seria então?

Veja, não estou querendo dizer que você não tenha que convidar as pessoas para participar das atividades da sua comunidade Cristã. Não é isso!

Porém, segundo a Bíblia, os frutos estão descritos pelo Apóstolo Paulo, na sua carta aos Gálatas, no capítulo 5:22-23. O coração cuja semente do Evangelho frutifica, vive uma vida de amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, , mansidão e temperança.

Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.
Contra estas coisas não há lei.
Gálatas 5:22,23

Fonte: Brasil Gospel Club