Arqueólogos israelenses descobrem a última ceia de Jesus de uma maneira que você nunca viu antes

Arqueólogos israelenses deram nova vida à antiga sala de pedra tradicionalmente considerada o local da Última Ceia de Jesus no Monte de Sião em Jerusalém.

As antigas muralhas do Cenáculo, superfícies desgastadas e pouca iluminação dificultaram o estudo de sua história pelos pesquisadores. Milhares de turistas cristãos vão lá todos os anos para visitar a possível localização da Última Ceia. A tradição judaica diz que foi construída acima do local do enterro do rei Davi.            

A Reuters informa que arqueólogos da Autoridade de Antiguidades de Israel e instituições de pesquisa europeias usaram tecnologia de laser e fotografia avançada para criar modelos tridimensionais incrivelmente detalhados do salão.

Conseguimos chegar a todos os cantos do edifício. Conseguimos criar modelos 3D desse lugar maravilhoso e santificado“, disse o arqueólogo Amit Re’em à Reuters sobre o projeto, que começou em 2016. “Conseguimos em um dos lugares mais sagrados em Jerusalém, para usar essa tecnologia e isso é um avanço.

A tecnologia ajudou a descobrir obras de arte antigas nas paredes e decifrar símbolos religiosos. Re’em disse que eles encontraram símbolos do “Leão de Judá” e “Angus Dei”, um cordeiro que representa Jesus.

Conta a história desta sala“, Reem disse.

Ela entrega a mensagem da Última Sala (Ceia), Cristo como um Messias, como vitorioso, como uma vítima – e o leão, o leão é um símbolo da dinastia davídica. Eles se combinam nesta sala.”

Na tradição cristã, é mais do que o local da Última Ceia. Foi também a sala onde os primeiros crentes encontraram o Espírito Santo no dia de Pentecostes.

O início da história do local é incerto, mas os estudiosos acreditam que o salão cheio de arco foi construído por cruzados há 800 anos sobre os remanescentes de uma antiga igreja bizantina. Eles também acreditam que os primeiros cristãos judeus adoravam lá.

O edifício foi renovado até sua forma atual em 1335 pelos monges franciscanos.

Ilya Berkovich, historiador do INZ instituto de pesquisa da Academia Austríaca de Ciências que trabalhou no projeto, disse que o projeto abre “incrivelmente novos horizontes” com potencial para futuros estudos.

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Nenhum spam garantido



Fonte: Portal Padom