Braços abertos
 | Pão Diário

O dia em que meu marido e eu começamos a jornada de cuidados com os nossos pais idosos, nós nos abraçamos e sentimos como se estivéssemos caindo do alto do penhasco. Inicialmente, não sabíamos que ao cuidar deles a tarefa mais difícil que teríamos de enfrentar seria permitir que os nossos corações fossem vasculhados e moldados e que permitiríamos que Deus usasse esse momento especial para, de tantas maneiras, nos tornar semelhantes a Ele.

Quando senti que mergulhava em queda livre rumo ao mais profundo vale, Deus me mostrou minhas prioridades, reservas, medos, orgulho e egoísmo. Ele usou minhas partes despedaçadas para mostrar-me o Seu amor e perdão.

Meu pastor disse: “O melhor dia é quando você vê a si mesmo por quem você é, desesperado e sem Cristo. Daí você consegue se ver como Ele o vê — completo nele”. “Foi esta benção que recebi ao ser cuidadora de meus pais. Ao ver como Deus havia me criado para ser, voltei-me a Ele e atirei-me em Seus braços e clamei como o salmista: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração…” (v.23).

Esta é a minha oração por vocês, que à medida que você se vê em meio às circunstâncias, você correrá aos braços abertos, amorosos e perdoadores de Deus.

Quando surge a preocupação, a força se esgota. 
Mas retorna quando nos voltamos a Deus.



Fonte: Pão Diário