DEUS ESTAVA EM CRISTO – Luciano Subirá – ORVALHO.COM

Ora, tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não levando em conta os pecados dos seres humanos e nos confiando a palavra da reconciliação (2 Coríntios 5.18,19).

O que Jesus veio fazer aqui na Terra? Por que foi necessário que Deus encarnasse e vivesse como homem? Por que Jesus precisou morrer para nos salvar? Todas essas questões são importantes e ajudam a compreender a obra da reconciliação. Depois de entender que o homem estava separado de Deus e não poderia mudar, por si mesmo, sua própria condição, fica mais fácil elucidar por que Jesus veio. Somente Ele possuía condições de mudar e reverter a inimizade humana para com Deus. O texto de 2 Coríntios afirma que “Deus nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo”.

SÓ JESUS PODE SALVAR

A Bíblia é muito clara e enfática em apresentar a salvação por meio de Jesus: Não há ninguém mais que tenha autoridade para salvar os homens, a não ser o Senhor Jesus Cristo.

Jesus respondeu Eu sou o caminho, a verdade e a vida ninguém vem ao Pai senão por mim (João 14:6)

O caminho não é a prática de boas obras, tampouco ir à igreja ou buscar religiões. O caminho é Jesus! Ele declarou que a única forma de ir ao Pai Celestial é por meio dEle mesmo. O resto é mera consequência A própria Bíblia declara que Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo. Foi a forma que o Pai escolheu para nos salvar. Quando o apóstolo Paulo escreveu ao seu jovem discípulo Timóteo, também foi muito enfático ao declarar:

Porque há um só Deus e um só Mediador entre Deus e a humanidade, Cristo Jesus, homem (1 Timóteo 2.5)

Não há mais ninguém além de Jesus Cristo que possa fazer algo pela condição espiritual do homem. É fundamental que isso fique bem claro, antes mesmo de demonstrarmos o porquê. O catolicismo ensina que Maria e outros santos podem mediar o relacionamento com Deus, mas isso não pode ser encontrado em sequer uma única afirmação bíblica. Aliás, o que encontramos nas Escrituras é justamente o oposto! Só Jesus pode religar o homem a Deus. A palavra “religião” vem do latim religare e significa exatamente isto: religação!

Os próprios apóstolos nunca se chamaram de mediadores, muito menos disseram que Maria, a mãe de Jesus, seria uma mediadora. Em seus ensinos e pregações, sempre apontavam para Jesus. Veja o que o apóstolo Pedro afirmou:

Este Jesus é a pedra que vocês, os construtores, rejeitaram, mas ele veio a ser a pedra angular. E não há salvação em nenhum outro porque, debaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.11,12)

Quando estava preso por pregar o Evangelho, o apóstolo Paulo declarou aos filipenses que somente poderia fazer algo para ajudá-los na fé enquanto estivesse vivo, trabalhando entre eles aqui na Terra, e não depois de haver morrido, como alguns ensinam:

Porque para mim o viver é Cristo o e o morrer é lucro. Entretanto, se eu continuar vivendo, poderei ainda fazer algum trabalho frutífero. Assim, não sei o que devo escolher. Estou cercado pelos dois lados, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor. Mas, por causa de vocês, é mais necessário que eu continue a viver. E, convencido disto, estou certo de que ficarei e permanecerei com todos vocês, para que progridam e tenham alegria, na fé.(Filipenses 1:21-25)

Nenhum dos chamados “santos” pode interceder por nós ou mediar a nossa reconciliação com Deus. Todos eles reconheceram que eram pecadores e necessitavam da mesma salvação que anunciaram (1 Tm 1.12-16). Até mesmo Maria, a própria mãe de Jesus em seu cântico, declarou isso:

Então Maria disse: A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador (Lucas 1.46.47)

Se ela chamou Deus de Salvador, é porque precisava, tanto quanto nós, da reconciliação. Certamente, Maria viveu como uma mulher honrada. Sua santidade ia muito além do fato de ser a virgem escolhida para gerar e criar o Salvador. Ela era temente a Deus, uma mulher de fé. Não foi escolhida por acaso; destacava-se entre as outras. Contudo a sua natureza, assim como a de qualquer outra pessoa sobre a face da Terra, era pecaminosa. Maria também foi gerada de semente corruptível. Por isso também precisava de um Salvador. Isso é fato. As Escrituras são claras.

SOMENTE JESUS VIVEU SEM PECADO

O único ser humano gerado sem pecado e em plena santidade foi Jesus. Isso somente foi porque quem O gerou foi o Espírito Santo. Já José, seu pai adotivo, por mais dedicado que fosse a Deus, jamais poderia gerar um filho sem pecado. Quando o anjo Gabriel anunciou as Boas Novas a Maria, falou assim:

O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Altíssimo a envolverá com a sua sombra: por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus (Lucas 1.35)

Note que o anjo O chamou de “ente santo”. Disse também que era o próprio Deus a gerar Seu Filho. É justamente isso que faz de Jesus Cristo o único qualificado para nos salvar: Ele nasceu sem pecado! Não apenas nasceu, mas viveu sem pecado todos os dias da Sua vida! Observe o que a Palavra de Deus diz:

Porque não temos sumo sacerdote que possa se compadecer das nossas fraquezas; pelo contrário, ele foi tentado em todas coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. (Hebreus 4.15)

Aquele que não conheceu pecado. Deus o fez pecado por nós, para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus (2 Coríntios 5.21)

Qualquer pessoa que morre em pecado prova a condenação eterna. Somente Jesus poderia, morrer e não ser condenado – Ele não tinha pecado algum! Por isso Jesus, tanto nascido em santidade quanto conservado assim por toda a vida, fez-se candidato único a Salvador, com autoridade para morrer no lugar de cada um de nós que já nascemos sob a condenação do pecado.

Está escrito: “O salário do pecado é a morte” (Rm 6.23). Como Jesus nunca pecou, a morte não possuía autoridade sobre Ele. Assim sendo, Ele podia dar e retomar a Sua vida, sem ser retido pela morte:

Por isso, o Pai me ama, porque eu dou a minha vida para recebê-la outra vez. Ninguém tira a minha vida: pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para entregá-la e também para reavê-la. Este mandato recebi de meu Pai (João 10.17, 18)

Quando a Bíblia afirma que “Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo” (2 Co 5.19), é porque Ele não podia estar em mais ninguém! Não havia – nem jamais houve ou haverá – qualquer outra pessoa qualificada para morrer pelos pecadores. Jesus é o próprio Deus encarnado, o qual veio pagar uma altíssima conta de pecado, justamente por não haver ninguém mais que pudesse fazê-lo. O único de quem a Bíblia dá testemunho de ter vindo ao mundo para realizar tão preciosa obra é, de fato, Jesus:

Esta palavra é fiel e digna de toda aceitação que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores dos quais eu sou o principal (1 Timóteo 1:15)

Em seu clássico texto sobre a reconciliação, Paulo declara: “Ora, tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo” (2 Co 5.18). É somente por meio de Cristo que se dá a reconciliação do homem com Deus.

Autor: Luciano P. Subirá. É o responsável pelo Orvalho.Com – um ministério de ensino bíblico ao Corpo de Cristo. Também é pastor da Comunidade Alcance em Curitiba/PR. Casado com Kelly, é pai de dois filhos: Israel e Lissa.



Fonte: Orvalho.com