No mais recente julgamento na Inglaterra relacionado a uma onda de “gangues de aliciamento” muçulmanas, uma jovem testemunhou através de vídeo que ela foi estuprada quando tinha 13 anos por cerca de 100 homens da religião.

A menina, que não pode ser identificada por razões legais, testemunhou no julgamento em Sheffield, na Inglaterra, de oito homens muçulmanos acusados ​​de abuso sexual de cinco meninas durante um período de cinco anos, de 1998 a 2003, informou o portal Daily Mail.

Os homens foram acusados ​​como parte da Operação Stovewood, uma investigação sobre os abusos sexuais iniciada após o escândalo de limpeza de Rotherham. O caso já havia sido denunciado em agosto de 2014, quando veio à tona um relatório do governo britânico que concluía que a maioria de homens paquistaneses britânicos abusaram sexualmente de pelo menos 1.400 crianças, a maioria delas brancas entre 11 e 15 anos, na cidade de Rotherham, no norte da Inglaterra, entre 1997 e 2013.

Segundo informações do WND, a maioria das meninas foram apanhadas por taxistas de casas de repouso e escolas. O abuso incluiu estupro em grupo, encharcamento das crianças com gasolina e tráfico delas para outras cidades.

O julgamento em 2012 de uma rede dessas práticas em Rochdale, na área de Manchester, levou a Comissão de Assuntos Internos da Câmara dos Comuns a realizar audiências. No ano passado, o principal assessor jurídico do governo acusou juízes britânicos de impor sentenças leves a membros de gangues muçulmanas condenados por estuprar garotas por causa do “politicamente correto”.

Na época, a cidade de Newcastle Upon Tyne era o centro de um escândalo de abuso sexual infantil, com 17 homens e uma mulher condenados por estuprar mais de 100 meninas brancas menores de idade, algumas com apenas 13 anos.

‘Só no Islã’

Robert Spencer escreveu em seu blog Jihad Watch na última segunda-feira, 10 de setembro, que, embora a agressão sexual ocorra em todas as culturas, “somente no Islã ela tem sanção divina”.

Ele apontou que uma sobrevivente de uma gangue de muçulmanos no Reino Unido disse que seus estupradores citaram passagens do Corão para ela, insistindo que suas ações foram justificadas pelo islamismo.

O Corão 33:59, por exemplo, diz: “Ó Profeta, diga a suas esposas e suas filhas e às mulheres dos crentes que tragam sobre si as suas vestes exteriores. Isso é mais adequado que eles sejam conhecidos e não sejam abusados. E sempre Deus perdoa e é misericordioso”. A implicação, pontuou Spencer, é que “se as mulheres não se cobrirem adequadamente com suas roupas externas, elas podem ser abusadas, e tal abuso seria justificado”.

No julgamento de Sheffield, a vítima disse que engravidou de um dos homens aos 14 anos e deu à luz aos 15 anos. A mulher, de acordo com o Daily Mail, testemunhou que sua irmã também foi abusada pelo homem que a engravidou, Ali Akhtar. Ela disse que o abuso que sofreram as fez sentir como se suas infâncias tivessem sido “roubadas”. “Éramos crianças um minuto e adultos no outro”, disse ela.

O tribunal também ouviu o testemunho de uma garota que foi estuprada por vários homens e meses depois foi forçada por seus pais a fazer um aborto.

Espólios

A mídia britânica, incluindo o Daily Mail, refere-se aos membros das gangues como “asiáticos”, ao invés de muçulmanos, observou a colaboradora do Jihad Watch, Christine Douglass-Williams, no ano passado.

Ela escreveu que a “violação das meninas aponta para um problema maior que os líderes ocidentais continuaram a ignorar deliberadamente: crimes estão sendo cometidos por muçulmanos que estão enraizados na doutrina islâmica, onde o Ocidente é considerado a ‘Casa da Guerra’ e suas mulheres são consideradas os espólios desta guerra”.

“Os ataques da jihad e uma invasão furtiva do Ocidente também são todos componentes dessa guerra. Uma sociedade está condenada quando nem sequer reconhece quem é seu inimigo”, alertou.

Ela citou Denis MacShane, membro britânico do Parlamento para Rotherham entre 1994 e 2012, que disse ao World At One da BBC que “havia uma cultura de não querer balançar o barco comunitário multicultural”.

Investigadores do caso Rotherham foram informados de que “influentes conselheiros paquistaneses atuaram como barreiras à comunicação sobre práticas de aliciamento”. Pessoas que atuam na linha de frente das investigações disseram que “a prefeitura lhes disse para manterem-se calados sobre a etnicidade dos perpetradores, no interesse da coesão da comunidade”, numa espécie de omissão oficial sobre as diferenças culturais que resultam em crimes.

No caso de Newcastle, Douglass-Williams apontou que um membro da gangue muçulmana estava aberto sobre seu motivo em agredir as garotas britânicas não-muçulmanas: “Todas as mulheres brancas são boas para uma coisa, para homens como eu: para f**** e usá-las como lixo, isso é tudo o que faz valer a pena em mulheres como você”.

Perfume

Em 2016, gangues formadas por imigrantes árabes e norte-africanos, todos muçulmanos, atacaram sexualmente dezenas de mulheres na noite de réveillon na cidade de Colônia. Com a repercussão do caso, um imã fez declarações colocando a culpa dos abusos nas vítimas por conta dos perfumes e roupas que usavam.

Na ocasião, a Polícia local registrou 90 queixas, entre denúncias de assédio e estupro, contra imigrantes muçulmanos que escolhiam os arredores da estação central da cidade para fazer suas vítimas.

Sami Abu-Yusuf, imã de uma mesquita salafista na cidade de Colônia, classificou o episódio como uma “falha das garotas”, que saíram às ruas para celebrar o ano novo perfumadas e “seminuas”, com a intenção de jogar “lenha na fogueira”.

A declaração foi dada durante uma entrevista a uma emissora russa, de acordo com informações do portal espanhol La Información. “Não foi surpresa que os homens as atacassem”, disse o líder muçulmano.



Fonte: Gospel Mais

Radios Online de todo Brasil totalmente grátis!

Musicas, Pregações 24 horas, Mensagens, Prêmios e Muito mais…
Rádios separadas por estado, idiomas e você ainda pode selecionar as suas favoritas.

Instale agora

QUE TAL APRENDER SE DIVERTINDO GRÁTIS ???

Copyright 2019 © Gospel Planet