“Eu só posso imaginar” acende debate sobre direitos humanos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

“Eu só posso imaginar” acende debate sobre direitos humanos

Em cartaz nos cinemas de todo o Brasil, o filme “Eu só posso Imaginar”, inspirado na canção de mesmo nome, reacende mais uma vez o debate sobre os direitos da criança e do adolescente. O filme conta a história de Bart Millard, vocalista da banda MercyMe e compositor do single mais famoso do grupo. O jovem sofre durante toda a infância com um pai agressivo e uma mãe omissa, que o abandona ainda muito jovem.

Marcado por traumas da infância, Bart usa sua dor como inspiração para desenvolver a canção de maior sucesso do grupo. A música exprime a jornada autobiográfica de superação e fé do compositor.

“Eu me lembro de perguntar a Bart: ‘Qual é a experiência de ter escrito “Eu só posso imaginar” e por que as pessoas amam essa música?’ E ele disse: ‘É uma onda de esperança’. E eu acho que é isso que o filme oferece”, disse durante uma entrevista Jon Erwi, um dos diretores da trama.

Entendendo a importância da informação, o longa-metragem firmou parceria com o Ministério dos Direitos Humanos e realiza antes de todas as seções do filme uma ação de conscientização sobre as formas de denúncia de violação dos direitos humanos, através do disque 100.

Sobre a canção

A canção de origem americana foi escrita em 1994 e lançada em 1999. “I Can Only Imagine” chegou a ganhar dois Dove Awards em 2002. No Brasil, a canção já foi gravada por artistas como Chris Duran, Eduardo e Silvana, Giselle Di Mene e recentemente pelo Ministério Diante do Trono, que fez uma versão especial para o filme.

Assista:



Fonte: Gospel Prime

Administrador

Administrador

Deixe sua mensagem

ouça a melhor rádio do brasil no seu celular

Portal de comunicação com foco na informação e divulgação de costumes cristãos

Copyright 2021 © Gospel Planet