Jornalista afirma que Jesus não era judeu, mas um ‘palestino’

anuncios

Pouco antes de publicar um artigo com comentários de um teólogo que se identificou como cristão, mas descreveu o nascimento virginal como “bizarro” e a ressurreição corporal de Jesus como ficção, o The New York Times publicou uma coluna de um jornalista que afirmava que o Filho de Deus não era Judeu, mas “palestino”.

Eric Copage, que é negro e cresceu em Los Angeles, disse que a descrição freqüentemente referenciada do ocidente de Jesus – um homem de pele clara com olhos azuis e cabelo loiro – ele viu que estava “errada”. Eu concordo absolutamente com ele; Jesus provavelmente tinha traços mais escuros e pele cor de oliva.

Mas assim que concordei com Copage, discordei dele. Ele passou a escrever (grifo meu):

anuncios

À medida que envelhecia, aprendi que a representação de Jesus, de pele clara e olhos azuis, há séculos adorna vitrais e altares em igrejas nos Estados Unidos e na Europa. Mas Jesus, nascido em Belém, era provavelmente um homem palestino de pele escura.

Uma pesquisa rápida de palavras-chave revelou que nem uma vez Copage reconheceu que Jesus era judeu, uma reflexão óbvia e crítica que qualquer um que já tenha lido uma Bíblia descobriria sem gastar muito tempo em suas páginas.

Então, onde a Bíblia observa a herança religiosa e étnica de Jesus?

  • O povo de Jesus, a comunidade judaica, rejeitou-o ( João 1:11-12 )
  • Jesus disse que a salvação “é dos judeus” ( João 4:22 )
  • O Novo Testamento traça claramente a linhagem de Jesus de volta a Davi ( Mateus 1: 1 )
  • Em todo o seu ministério terrestre, Jesus frequentemente ia à sinagoga ( Lucas 4:16 )
  • Jesus entrou no templo em Jerusalém e ensinou ( Lucas 21:37 )
  • Jesus observou a Páscoa, uma tradição judaica ( Lucas 22: 14-15 )
  • Quando ele foi crucificado, ele foi declarado “rei dos judeus” ( Marcos 15: 2 )

E se você precisar de corroboração extra-bíblica do judaísmo de Jesus, há muito a ser contado. Shaye JD Cohen, professor de literatura hebraica e filosofia na Universidade de Harvard, disse que Jesus era “claro” judeu, acrescentando: “Dizer que ele era um judeu … está simplesmente afirmando uma ideia que é tão óbvia em face disso, é de se admirar que seja preciso dizer isso.”

Cohen escreveu:

Ele regularmente adorava na adoração comunitária judaica, o que chamamos de sinagogas. Ele pregou do texto judaico, da Bíblia. Ele celebrou as festas judaicas. Ele foi em peregrinação ao templo judaico em Jerusalém, onde ele estava sob a autoridade de sacerdotes. … Ele viveu, nasceu, viveu, morreu, ensinou como judeu.

Não é realmente surpreendente que o Times esteja publicando histórias de escritores proeminentes que buscam apagar a herança judaica do Filho de Deus.

O co-apresentador do Fox & Friends Weekend, Pete Hegseth, falou na semana passada com Faithwire sobre o renascimento da chamada “negação do templo”,  um fenômeno político que apareceu pela primeira vez nos anos 90 e não coloca nem Jesus nem figuras do Antigo Testamento como os Reis Davi e Salomão estes que estavam sempre em Jerusalém.

Hegseth disse que conversou com Muhammad Ahmed Hussein, o principal imã da mesquita Al-Aqsa, localizada no Monte do Templo, que lhe disse que não havia “templo” na Terra Santa.

Se você está tentando negar e apagar, os judeus sempre estiveram lá, é uma tentativa de dizer: ‘Você não tem direito a essa terra. Esta é a nossa terra e qualquer futuro será apenas um futuro islâmico”, disse Hegseth. “Tivemos vários convidados dizendo que isso só termina quando os muçulmanos controlarem toda Jerusalém”.

De acordo com o escritor judeu David Hazony “a negação do templo” é “uma campanha de apagamento intelectual [dos palestinos] … com o objetivo de minar a reivindicação judaica de qualquer parte da terra”.

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Nenhum spam garantido

anuncios



Fonte: Portal Padom