Mais de 10 cristãos são mortos todos os dias por causa da fé em Jesus

Se declarar cristão em vários países do planeta pode ser uma questão de vida ou morte, e nos últimos anos essa realidade tem se agravado, segundo informações da organização Portas Abertas, que monitora os índices de perseguição religiosa no mundo há décadas.

“A cada ano, a perseguição aos cristãos se intensifica no âmbito global. O número de cristãos com medo de ir à igreja ou que já não têm uma igreja aonde ir tem aumentado, bem como daqueles que têm de escolher entre permanecer fiel a Deus ou manter seus filhos seguros”, informa a organização.

Cerca de 11 cristãos morrem em decorrência da perseguição religiosa, diariamente, sendo a intolerância perpetrada em muitos casos pelo próprio governo dos países onde esses cristãos vivem, como na Coreia do Norte, controlada pela ideologia comunista do ditador Kim Jong-un.

Ocupando o 1° primeiro lugar na lista mundial de perseguição, a Coreia do Norte é o país que mais controla a população em todas as áreas, não apenas na vida social, mas íntima, querendo determinar os hábitos de vida da população.

“No país, direitos à liberdade de pensamento, religião, expressão e informação não são respeitados, e não há mudança para a igreja há anos: cristãos enfrentam níveis de pressão extremos em todas as áreas da vida, combinados com alto grau de violência”, diz a Portas Abertas.

Em segundo lugar vem o Afeganistão, depois Somália, Líbia, Paquistão, Sudão, Eritreia, Iêmen, Irã e Índia. Esses são os dez primeiros países da lista composta por 50 no total, incluindo o México (39° posição) e a Colômbia (47°) que, infelizmente, pertencem a América Latina.

No caso dos países latinos, a corrupção, o crime organizado envolvendo o narcotráfico e a implantação de regimes políticos socialistas são as grandes ameaças aos cristãos. E a razão disso é porque o cristianismo contraria toda forma de opressão, injustiça e totalitarismo, contrariando muitas vezes os interesses dos criminosos.

“Os cristãos tendem a estar entre os grupos vulneráveis que são perseguidos por se opor a práticas totalitaristas de governo e por demandar respeito pela democracia e pelo Estado de Direito, como já visto em países como Cuba, Venezuela e Nicarágua, onde as autoridades buscam manter o poder a todo custo, sacrificando valores tradicionais”, informa a Portas Abertas.



Fonte: Gospel Mais