Ministra Damares Alves vira chacota da mídia por duvidar da evolução

A teoria da evolução tornou-se o novo foco de polêmica em torno da ministra Damares Alves por conta de sua opinião sobre o tema. Agora, a grande mídia resgatou uma entrevista concedida em 2013, em que ela lamenta a perda de protagonismo da Igreja por ceder espaço ao evolucionismo nas escolas.

“A igreja evangélica perdeu espaço na história. Nós perdemos o espaço na ciência quando nós deixamos a teoria da evolução entrar nas escolas, quando nós não questionamos. Quando nós não fomos ocupar a ciência. A igreja evangélica deixou a ciência para lá e ‘vamos deixar a ciência sozinha, caminhando sozinha’. E aí cientistas tomaram conta dessa área”, disse Damares Alves é época.

Em resumo, a teoria da evolução – reconhecida como a mais próxima de conceituar a origem da vida e espécies por grande parte da comunidade científica – defende que os seres humanos e outros tipos de vida têm origem em ancestrais comum e sofreram mudanças evolutivas ao longo das gerações, até atingir o estado que se conhece atualmente, com diferentes espécies.

Em meio a toda a polêmica, o pastor Silas Malafaia saiu em defesa da ministra Damares Alves, e usou o Twitter para argumentar: “LEIS NA CIÊNCIA > 1ª e 2ª lei da termodinâmica, lei da causa e efeito, lei da gravidade, etc, etc. Evolução não passa de uma teoria. As leis são comprovadas pelo experimento, não simplesmente por hipótese. Criação ou evolução? Se a criação é uma teoria, a da evolução é pior ainda. Existem mais evidência na natureza para a criação do que para a evolução. Submeta as duas às seguintes leis e você verá. As leis da biogêneses, causa e efeito, 1ª e 2ª lei da termodinâmica. O resto é conversa!”, pontuou o pastor.

Em outro tweet, Malafaia apontou a genética como fator de questionamento do evolucionismo: “Submeta a criação e a evolução ao código genético> Características de uma espécie são transferidas para as gerações futuras da mesma espécie. Isso é ciência, não falácia teórica. O código genético foi descoberto por Mendel em 1856, é uma lambada na teoria da evolução”.

O biólogo Paulo Miranda Nascimento, conhecido pelo apelido de Pirula, rebateu as afirmações do pastor: “Silas, TEORIA em ciência não é a mesma coisa que hipótese. Esta última é uma ideia proposta. Já Teoria é algo altamente corroborado, com N evidências para sustentá-la. Teoria é uma explicação da realidade, mas amparada em fatos e testes. Não é achismo, como você faz parecer”, argumentou.

‘Hipótese da evolução’

Embora tenha sido adotada como um conceito muito próximo de traduzir a realidade da origem da vida e espécies, a teoria da evolução ainda é questionada por muitos cientistas, incluindo o físico brasileiro Adauto Lourenço, mestre em Física pela Clemson University (EUA).

Em sua argumentação contra a teoria da evolução, Lourenço aponta evidências científicas que trazem sérios questionamentos à tese defendida pelos evolucionistas. “O problema é que, o que sabemos hoje de seleção natural, está ligado à quantidade de informação genética que um organismo tem. Para que a seleção natural ocorra, algo deve se transformar em outra coisa. Mas a informação genética disponível não faz com que ‘isso’ se transforme ‘naquilo’”.

“Vamos pegar um exemplo prático: a boa pata de um réptil. Vamos imaginar que essa boa pata iria evoluir e, lá na frente, esse animal se tornaria uma ave. Para que essa boa pata se transforme em uma boa asa, no meio [do processo] ela não seria nem uma boa pata, nem uma boa asa. A seleção natural faria com que isso deixasse de existir. A seleção natural é um mecanismo que impede o processo evolutivo; exatamente o contrário daquilo que muitos acreditavam”, esclareceu o físico, numa entrevista em 2017.

O autor da teoria da evolução, o naturalista Charles Darwin afirmou que o maior problema com sua teoria é que não havia evidências de evolução em seu livro sobre o assunto. E Adauto Lourenço concorda: “A quantidade de evidências mostrando que a evolução nunca aconteceu, no registro fóssil, na genética, na biologia, nos processos naturais, é esmagadora. Continua sendo ensinado aquele mecanismo de forçar a pessoa a aceitar por intimidação. Hoje um aluno não pode mais dizer que não concorda com isso”.

Reiterando a cosmovisão argumentada por Damares Alves e Silas Malafaia, o físico enfatizou que “se é teoria, é porque não foi provada ainda”: “É por isso que ela tem o nome de Teoria da Evolução. Tecnicamente, não deveria nem mesmo levar o nome de teoria, deveria ser ‘Hipótese da Evolução’. Porque teoria necessita ser testável, e a evolução não é testável”, destacou.

Gênesis

Se há dúvidas sobre a teoria da evolução, também há evidências que apontam para o que a Bíblia descreve como origem da vida: a criação.

Everton Alves, mestre em ciências e membro da Sociedade Brasileira do Design Inteligente e da Sociedade Criacionista Brasileira, falou sobre o tema em entrevista e declarou que há uma má vontade por parte da grande mídia em relação às evidências que apontam para uma ação deliberada de um criador no surgimento da vida.

“Nós temos contato desde crianças com livros didáticos que nos fornecem uma história que na verdade não é a história real das nossas origens. Quando vamos estudar a fundo por conta própria ou com a ajuda de de literaturas específicas de pessoas intelectualmente honestas, nós temos evidências abundantes que nos mostram que o relato de Gênesis é verídico e histórico”, apontou Alves.

“A cada ano, vem sendo descoberta uma nova civilização, um túmulo ou objeto com nome de algum personagem que já estava descrito na Bíblia, sendo que antes eram considerados como mitológicos ou metafóricos”, explicou. “A ciência, ano após ano, vem comprovando todo o relato bíblico, principalmente quanto à literalidade do livro de Gênesis, se formos tratar de Adão e Eva, Noé e sua família ou até mesmo do episódio do Dilúvio. Podemos ter dentro da própria Bíblia informações que atestam a veracidade desse primeiro livro”, disse o mestre em ciências em entrevista ao portal Guia-me.



Fonte: Gospel Mais