Muitas igrejas se unem aos gays para não “ofendê-los” com a Bíblia, alerta ex-lésbica

Judeus e cristãos oram juntos pela paz de Jerusalém: “A Bíblia nos une”
13 de junho de 2018
Cristãos iraquianos criticam papa por defender “submissão” ao Islã
13 de junho de 2018

Muitas igrejas se unem aos gays para não “ofendê-los” com a Bíblia, alerta ex-lésbica

Janet Boynes, uma escritora cristã que abandonou a vida homossexual, se posicionou contra igrejas e líderes que estão sendo coniventes com ideologias contrárias à Bíblia. Para contextualizar sua fala, ela lembrou que há dois anos um fato marcava o mundo. O tiroteio em Orlando, na boate gay Pulse, da Flórida, onde 49 pessoas, muitos delas LGBTQs, tragicamente perderam a vida.

“Militantes LGBTs e ativistas usaram desse ato impensável de violência para promover sua agenda e denunciar todos que os desafiam com a verdade da Palavra de Deus. Um bom exemplo disso foi o que meu amigo, Dr. Michael Brown, enfrentou quando publicou um pequeno vídeo intitulado ‘Você pode ser gay e cristão?’”, escreveu Janet para o site Charisma News.

“Entre os comentários da multidão LGBTQ estavam comentários como: ‘Morra, você é velho’, e ‘Eu espero seriamente que cada um de vocês morra, que monstros malignos que gostaram desse vídeo sejam atropelados por um ônibus’. São só alguns exemplos”, colocou a autora.

“Deixe-me perguntar: São estes os comentários de uma comunidade de luto que sente a dor da perda de vidas em Orlando? Ou esses insultos são dirigidos diretamente àqueles que colocam sua fé em Cristo e se posicionam contra o pecado e a imoralidade? Desde a tragédia de Orlando, esses incidentes aumentaram e se intensificaram. Assim como o Dr. Brown, eu também recebi ameaças da comunidade gay”, revelou.

“Mais do que nunca, os militantes e ativistas LGBTs estão forçando seu estilo de vida na sociedade – incluindo a igreja. E, infelizmente, os pastores e líderes cristãos que deveriam estar enfrentando esse ataque do mal, estão na verdade respondendo com atitudes conciliatórias”, alertou.

“Mais igrejas de ‘afirmação gay’ estão sendo estabelecidas, e alguns líderes cristãos estão realmente se alinhando com a comunidade LGBT. Muitos líderes da igreja permitiram que suas amizades com a comunidade gay comprometessem suas crenças fundamentais sobre família e casamento por medo de ofender alguém”, escreveu.

“Muitos deixaram suas convicções para trás e seus corações se esfriaram, assim como Jesus advertiu: ‘O pecado será desenfreado em toda parte, e o amor de muitos esfriará’ (Mt 24:12, NLT). Os corações de muitos cristãos se endureceram quando militantes ativistas gays atacaram agressivamente a igreja e todos os outros que não apóiam sua agenda pecaminosa”, colocou Janet.

“Uma das principais táticas utilizadas pelos ativistas homossexuais para enganar é assumir o papel de vítima marginalizada, quando na realidade são agressivos. Eles forçaram suas reivindicações de estilo de vida para o mainstream e agora estão intimidando quem se opõe a eles. E, infelizmente, muitos crentes e igrejas estão cedendo a essa agressão”, salientou.

“Assim, em muitos casos, a igreja não está disponível para aqueles que lutam com a atração pelo mesmo sexo ou que desejam deixar o estilo de vida homossexual. Alguns ministérios cristãos que antes defendiam a verdade sobre a homossexualidade na verdade fecharam as portas por medo da reação da comunidade LGBT. Estou profundamente magoada com o que está acontecendo hoje porque um estilo de vida maligno e destrutivo está sendo aceito como bom”.

“No entanto, continuo esperançosa. A Bíblia declara que onde o pecado é abundante, a graça é muito mais abundante (Romanos 5:20). Neste tempo da graça de Deus, a igreja tem a oportunidade de fazer o que é chamada a fazer: compartilhar a esperança e a cura disponíveis por meio de Jesus Cristo, independentemente da perseguição e das consequências”, finalizou.



Fonte: Guia-me

(Visited 4 times, 1 visits today)