“O trauma abre uma porta para o inimigo atormentar as pessoas”, alerta pastor

21

A igreja não é só um lugar onde se expressa felicidade. Ela também é o espaço onde os cristãos revelam e tratam seus traumas emocionais, algo no qual o pastor norte-americano Mike Hutchings já se tornou um especialista, por conta dos 35 anos de ministério pastoral dedicado às pessoas, especialmente em condição de sofrimento psicológico.

Mike faz parte da Global Awakening, fundada pelo pastor Randy Clark. Se trata de uma organização composta por líderes e obreiros capacitados para lidar com pessoas que enfrentam estresse pós-traumático, ministrando a cura sobre suas vidas.

O estresse pós-traumático é uma condição psicopatológica que pode surgir após situações de profundo trauma emocional, como acidentes, assaltos, doenças e a morte de entes queridos.

“Minha mensagem principal é simplesmente esta: não importa o trauma que você passou, você não precisa mais ser definido pela sua história. Você pode ser curado em nome de Jesus e permitir que Ele restaure sua alma”, disse Mike, segundo informações do Charisma News.

O pastor explica que traumas emocionais muitas vezes são cultivados na mente humana através de “gatilhos”. Ou seja, lembranças do episódio traumático que a pessoa não consegue esquecer ou, no mínimo, lembrar, mas sem sofrer da mesma forma.

Alguns conseguem superar, enquanto outros não, carregando o trauma ao longo da vida. Para Mike, é como se o trauma estivesse no presente. “Muitas pessoas são capazes de superar seus traumas porque têm resiliência em sua alma, mas há muitas pessoas que carregam traumas com elas”.

Buscando sua identidade em Deus

O pastor explica que a cura do trauma consiste em se concentrar no que Deus significa em nossas vidas, nos seus propósitos e promessas. Quando uma pessoa sofre por conta de um trauma profundo é como se ela se esquecesse de quem realmente é, focando mais a sua vida no trauma do que em sua vida espiritual.

“Elas se enxergam como alguém com quem ‘as coisas ruins sempre acontecem’. Essa não é a identidade que Deus lhes deu. São filhas e filhos amados que sofreram coisas ruins porque vivem em um mundo destruído”, diz o pastor.

Finalmente, Mike esclarece que a dor e o sofrimento podem ser utilizados pelo maligno para destruir e aprisionar a pessoa em uma condição de sofrimento constante, mas ressalta que isto não significa possessão demoníaca, mas sim o “dar ouvidos” ao inimigo.

“Elas [essas pessoas] não são possuídas por esses espíritos. Eles simplesmente dão ouvidos a eles”, destaca o pastor. “Quando elas estão recebendo esses pensamentos [negativos], elas acham que são seus pensamentos, porque o trauma abre uma porta para o inimigo atormentar as pessoas”, diz o pastor.

A cura do trauma, portanto, impede que o sofrimento seja utilizado por satanás como ferramenta de opressão contra a vida humana. “Até que aquela ferida da alma seja curada, é como se houvesse uma porta aberta e elas não podem ter controle”, conclui Mike.

 



Fonte: Gospel Mais