Olavo de Carvalho e Feliciano criam manifesto conservador

Olavo de Carvalho, escritor e filósofo visto como responsável pela ascensão do ainda incipiente movimento conservador brasileiro, recebeu uma visita do pastor Marco Feliciano (PODE-SP) em sua casa na Virginia (EUA) na última semana. No encontro, os dois produziram um manifesto, intitulado “A Força Conservadora”.

No Twitter, o pastor Marco Feliciano vem divulgando trechos da conversa que teve com Olavo de Carvalho, sobre temas relacionados ao momento que a política nacional atravessa, como por exemplo, as declarações ruidosas do vice-presidente, Hamilton Mourão (PRTB).

No documento, Olavo e Feliciano expressam alegria pela união de “cristãos, defensores da família, dos bons costumes, das liberdades políticas e do livre mercado” na luta contra o projeto “estatista, coletivista, corrupto, globalista, totalitário” de perpetuação no poder elaborado pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

De acordo com informações do jornal O Globo, o manifesto faz críticas à postura oportunista adotada por parte dos integrantes do governo: “Muitos dos que hoje tentam cercar o presidente Jair Bolsonaro e ocupam postos de relevância no governo federal se refestelavam nas graças dos governo cleptocratas instituídos pelo aparato lulopetista, os conservadores brasileiros estavam em luta”.

A dupla de influenciadores também convoca os eleitores de Jair Bolsonaro a reagirem às tentativas de sabotagem do governo: “Devemos impedir o sequestro do governo conservador pelo estamento burocrático, o qual se infiltrou em meio ao projeto conservador para sabotar, não apenas almejando manter o ‘status quo‘ que o privilegia desde sempre em detrimento da nação, como ambicionando o afastamento do presidente Bolsonaro de sua base social”.

Embora o documento não cite nomes, nos vídeos gravados por Feliciano, há duras críticas à postura de parte da imprensa e também a Mourão, que vem sendo alvo de um verdadeiro bombardeio por conta de suas declarações conflitantes com a plataforma que elegeu Jair Bolsonaro.



Fonte: Gospel Mais