Países muçulmanos enviarão soldados para “proteger palestinos”

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Representantes de 57 países muçulmanos, reunidos em uma cúpula em Istambul, Turquia, defenderam nesta sexta-feira (18) a criação de de “uma força de proteção internacional”, que enviaria soldados aos Territórios Palestinos.

A afirmação está no comunicado final da Organização de Cooperação Islâmica (OCI), que pede “proteção internacional para o povo palestino, inclusive com o envio de uma força de proteção internacional”.

A OCI condenou o que chama de “ações criminosas das forças israelenses”, especialmente junto à fronteira com a Faixa de Gaza”. O texto também acusa o governo americano “de apoiar os crimes de Israel, inclusive protegendo-o no Conselho de Segurança da ONU”.

Para os países islâmicos, a transferência da embaixada dos EUA foi um “ato de provocação e de hostilidade contra o mundo islâmico”. Seu pedido é que ONU crie “de uma comissão de investigação internacional” sobre os incidentes desta semana, que deixaram mais de 60 mortos.

O documento desaconselha que qualquer outro país anuncie a mudança de sua embaixada, por seria “cúmplice em minar a lei e a ordem internacional.”

Esta foi a segunda reunião de emergência da OIC que o presidente turco, Recep Tayyip, promoveu desde que o presidente Donald Trump anunciou o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel. Na primeira, eles reconheceram Jerusalém como capital apenas da Palestina.

Nações Unidas

Mostrando o poder dos países muçulmanos nas Nações Unidas, o Kuwait, que possui um assento no Conselho de Segurança da ONU, imediatamente apresentou um projeto de resolução sobre “proteção internacional ao povo palestino”.

O embaixador do Kuwait, Mansour al-Otaibi, disse estar confiante que muito em breve haverá uma “força internacional” posicionada na fronteira de Gaza com Israel.

Danny Danon, representante de Israel na ONU, emitiu um comunicado dizendo: “O cinismo e as tentativas de distorcer a realidade atingiram um novo recorde. Israel continuará defendendo sua soberania e a segurança de seus cidadãos contra o terror e a violência assassina do Hamas”.

Também espera que os Estados Unidos bloqueie no Conselho qualquer resolução nesse sentido, como ocorreu no início da semana, quando a embaixadora Nikki Haley saiu em defesa de Israel, afirmando que  “Nenhum país nesta câmara agiria com mais moderação do que Israel. Na verdade, o histórico de vários países aqui sugerem que eles seriam muito menos contidos”.

Ela também negou que a violência tenha algo a ver com a transferência da embaixada dos EUA. “É uma cortina de fumaça. A organização terrorista Hamas tem incitado a violência há anos, muito antes de os Estados Unidos decidirem mudar a embaixada. Não se enganem, o Hamas está satisfeito com os resultados [mortes]. Com informações de Daily Mail



Fonte: Gospel Prime

Deixe sua mensagem

CENTENAS DE RÁDIOS DE TODO BRASIL NO SEU CELULAR

Portal de comunicação com foco na informação e divulgação de costumes cristãos

Copyright 2021 © Gospel Planet