Conecte-se
Search

Passa de 1.500 o número de mortos na Indonésia; grupos cristãos se mobilizam

Cenas de cadáveres cobertos por lonas e sacos pretos nas estradas estão se tornando ainda mais chocantes para quem sente o cheiro se tornando “quase insuportável” dos corpos ainda não identificados, após o terremoto somado a um tsunami, que devastou grande parte da Indonésia no último fim de semana. O número de mortos ultrapassou de 1.500.

“Na aldeia de Balaroa, nos arredores de Palu, tudo está destruído. As ruas estão arruinadas e não há instalações de água ou saneamento básico para as pessoas reunidas em abrigos. A maioria das famílias tem apenas uma lona e um tapete”, disse Fatwa Fadillah, voluntário da ONG Catholic Relief Service. Ele está atuando perto de Palu, uma das áreas mais atingidas.

“Na praia de Talise, onde o tsunami chegou à costa, o cenário é de devastação e as equipes de busca e resgate ainda estão à procura de sobreviventes. Ao longo da costa, você pode ver o quão grande foi o tsunami e a extensão dos danos estão alcançando a estrada e o cheiro é quase insuportável”, acrescentou Fadillah. “É extremamente quente e a maioria das pessoas está sentada sob lonas, apenas esperando. Eles estão esperando por ajuda e o sol baixar. Eles não têm mais nada a fazer, senão esperar”.

A Reuters informou nesta sexta-feira (5) que o número oficial de mortos após o terremoto e o tsunami é de 1.571, mas espera-se que aumente ainda mais.

A moradora da região de Petobo, Hasnah, disse que perdeu mais da metade de sua família na catástrofe. “Eu não posso nem contar quantos. Dois dos meus filhos se foram, meus primos, minha irmã, meu cunhado os filhos dela, todos se foram”, disse a mulher de 44 anos, em lágrimas.

Buscas

Equipes de resgate ainda estão retirando corpos do Mercure Hotel, de cinco andares, na costa de Palu, que desmoronou na última sexta-feira.

Martinus Hamaele disse à CNN que estava procurando por sua filha de 20 anos, Marienne, mas não há sinais dela. O irmão de Marienne, Frets Ferdinand Hamaele disse que a família ainda não perdeu as esperanças.

“Já faz seis dias. Para os humanos comuns, é provavelmente impossível que ela ainda esteja viva”, disse ele. “Mas nunca perdemos a esperança. Pelo menos podemos conseguir o corpo dela. E se Deus atender ao nosso clamor, então ela ainda estará viva”.

Várias instituições de caridade cristãs importantes uniram esforços no Reino Unido como parte do apelo da Comissão de Emergência de Desastres (DEC) na Indonésia. O comitê disse na quinta-feira que 200 mil pessoas precisam urgentemente de água limpa, comida, assistência médica e abrigo.

“As instituições de caridade do DEC e seus parceiros locais estão trabalhando em estreita colaboração com as autoridades indonésias para obter ajuda para aqueles que precisam urgentemente, bem como ajudar os sobreviventes a lidar com o trauma dos últimos dias”, disse o Chefe do Executivo do DEC, Saleh Saeed.

“À medida que a escala completa do desastre se desenrola, eles estão fornecendo ajuda de emergência e estão prontos para ajudar comunidades devastadas a reconstruir suas vidas. Há uma necessidade urgente de água potável, alimentos, assistência médica e abrigo. Por favor, dê generosamente e economizemos. Os sobreviventes”, acrescentou.

As agências de ajuda que estão unindo forças neste momento para ajudar a população da Indonésia incluem: Action Against Hunger, ActionAid UK, Age International, Cruz Vermelha Britânica, CAFOD, CARE International UK, Christian Aid, Worldwide Worldwide UK, Islamic Relief Worldwide, Oxfam GB, Plan International Reino Unido, Save the Children UK. Tearfund e World Vision UK.



Fonte: Guia me

Deixe sua mensagem