Pastor usa fotos tiradas por ele para ilustrar pregações e evangelizar

38

A absorção de conhecimento do ser humano se dá de várias maneiras. Alguns aprendem mais ouvindo, outros vendo, enquanto a maioria praticando. Mas, e se fosse possível unir pelo menos dois desses canais de aprendizado em dado momento, potencializando ainda mais o alcance, por exemplo, da pregação do Evangelho para uma plateia?

É isso o que está fazendo o pastor Charles Stanley, antigo líder da Primeira Igreja Batista de Atlanta, EUA, e fundador do In Touch Ministries. Ele descobriu por acaso o quanto o aprendizado do público acerca das suas mensagens se torna mais eficaz com o uso de imagens. E não é qualquer imagem. São fotografias tiradas por ele mesmo, como hobby.

“Eu não tinha uma câmera e estava viajando para o Haiti. Minha esposa teve a melhor câmera que a Kodak fez naqueles dias, e ela disse: ‘por que você não tira com a minha câmera?’”, disse ele aos participantes da Conferência de Fotojornalismo do Sudeste de 2019, onde palestrou na Convenção Batista do Sul, em Nashville, EUA.

“Eu estive lá por cerca de três semanas. Eu cheguei em casa com as fotos mais incríveis e não sabia o que estava fazendo a maior parte do tempo”, disse o pastor, que em seguida explica como percebeu a utilidade das fotos pelo testemunho dos que ouviram suas mensagens, onde ele ilustrava o que havia registrado durante a viagem.

“Quando eu olho para trás ao longo dos anos e vejo como Deus usou [minha fotografia], Ele abriu algumas portas incríveis de oportunidades para mim”, lembra Stanley, dizendo que a partir das imagens, por exemplo, da natureza, começou a retirar lições bíblicas.

“Eu olhei para o meio ambiente, e pensei: ‘aquela árvore está naquela água, eu me pergunto quão profundo? As raízes têm que ser profundas.’ E penso em todas as tempestades que atingiram a praia, toda a chuva, todo o granizo, todo o granizo e as duas palavras que me vieram à mente ainda estão de pé”, diz o pastor.

Assim, Stanley diz que uma só imagem pode render muitas lições, já que palavras são mais fáceis de serem esquecidas, enquanto imagens não. Ele finaliza contando o testemunho de uma ouvinte que lhe abordou na rua, para comentar uma mensagem que havia feito no domingo, sobre a fotografia de um antigo veleiro encalhado na beira-mar.

Duas semanas após a pregação, uma garçonete lhe abordou em um restaurante. “Eu quero te dizer uma coisa”, disse ela para o pastor. “Sou divorciada. Meu marido me deixou em uma confusão. Fisicamente, eu não estou indo bem. Meu trabalho não está indo bem. Eu acabei de aceitar esse trabalho como garçonete”, continua a moça.

“Eu estava quase desistindo. E um domingo eu vim para a igreja, nunca fui antes, eles me sentaram na segunda fileira, eu escutei você, quando você chegou ao fim, e você mostrou aquele veleiro, e você fez a declaração, ‘aquele velho barco irá navegar novamente’. Deus falou ao meu coração e disse: ‘Você navegará novamente. Você sairá disso. Vou tirá-lo disso. Não desista, confie em mim’”, disse ela.

Stanley conclui que dessa forma o testemunho acerca da fé em Deus pode ocorrer também de forma silenciosa, até por imagens que revelam lições sobre a vida, algo que ele até hoje carrega consigo.

“Eu posso pregar por 50 minutos, mas se eu mostrar algo em uma tela grande que diz algo sobre isso, você pode esquecer o que eu disse, mas você não vai esquecer o que viu”, disse ele, segundo informações do Baptist News.



Fonte: Gospel Mais