Pesquisa mostra o comportamento do brasileiro em relação ao dinheiro.

Serasa diz como está conhecimento do brasileiro sobre vida financeira.

Os que menos se preocupam em controlar os gastos são os jovens.

A força de vontade não basta.  Se na vitrine estiver uma roupa que Thais Teixeira, de 17 anos, gostou, ela não consegue se controlar e o preço não importa. “Vejo e penso: ‘eu preciso’. Se só tenho R$ 200 e custa R$ 500 já peço mais para minha mãe”, explica a jovem.

O único dinheiro que conseguiu guardar fica num cofrinho. Por garantia, só a irmã tem a chave.  A estudante faz parte da turma que tirou a pior nota na pesquisa de educação financeira deste ano da Serasa. Eles ficaram com nota 5,5, numa escala de 0 a 10. A nota geral dos brasileiros foi um pouco maior, 6.

A pesquisa quis saber como está o conhecimento, a atitude e o comportamento do brasileiro em relação ao dinheiro.  O conhecimento avaliou o entendimento dos conceitos financeiros. A atitude é como o brasileiro enxerga sua relação com o dinheiro e o comportamento é o que o consumidor faz na prática.

As notas vão caindo. De quase 7,5 em conhecimento para menos de 6,5 em atitude a pouco mais de 5 em comportamento.

Os resultados mostram sabem o que devem e o que não devem fazer para manter os gastos controlados, mas gastam mais do que ganham, não se controlam e compram por impulso. Quer dizer a teoria é uma, mas no dia a dia, a prática é bem diferente. Especialistas recomendam anotar tudo que for gasto.

A pedido do Jornal Hoje,  a equipe que fez a pesquisa elaborou um planilha especialmente para os jovens anotarem os gastos com baladas, show, cinemas e jogos. “Pode ser uma planilha eletrônica, no papel, mas precisa de alguma forma registrar para avaliar onde você está gastando seu dinheiro. Se você está gastando em coisas que realmente precisa ou se você está gastando mais em coisas que você deseja e não precisa tanto”, fala o gerente Serasa/Experian, Tomás Carmona.

Fonte:G1