Pesquisadores afirmam ter encontrado evidências da rota usada por Moisés no Êxodo

8

Os estudiosos da Bíblia da Fundação de Pesquisa Duvidante de Thomas (DTRF) acreditam que podem ter descoberto a rota que Moisés tomou quando liderou os Filhos de Israel da escravidão do Egito à Terra Prometida.

O grupo disse ao Daily Star Online que eles viajaram para a Arábia Saudita três vezes durante a pesquisa e encontraram evidências de que os israelitas viajaram pelo reino dos dias modernos para chegar a Israel.

O pesquisador do DTRF, Ryan Mauro, ainda está trabalhando nesta teoria, mas disse que a rota mais “plausível” é aquela em que os israelitas saíram do Egito pelo Cairo e cruzaram a Península do Sinai. Ele acredita que eles entraram na antiga Midiã e pararam no Monte Sinai, que ele afirma ser o pico de Jabal al-Lawz no leste da Arábia Saudita.

“Depois de três viagens à Arábia Saudita, estou totalmente convencido de que os israelitas entraram na antiga terra de Midiã quando fugiram da escravidão no Egito”, disse ele ao Daily Star Online.

No ano passado, a organização lançou um documentário detalhando sua busca para encontrar o Monte Sinai na Arábia Saudita.

Mauro disse que ele e sua equipe descobriram várias evidências de que Jabal al-Lawz é onde o Monte Sinai estava localizado.

“O bezerro de ouro, a rocha dividida, o altar de Moisés, o local de travessia do Mar Vermelho; todas essas peças precisam se encaixar e se encaixam neste local de uma maneira que nenhum outro site faz”, disse ele.

O monte Sinai é tradicionalmente associado à península do Sinai, no Egito. O Mosteiro de Santa Catarina foi construído sobre o que se acredita ser o local onde Deus falou a Moisés na sarça ardente.

“Talvez esses (céticos) tenham duvidado do relato histórico da história do Êxodo por causa da falta de evidências no local tradicional de Santa Catarina, mas o que encontramos parece se encaixar nos relatos antigos”, disse Mauro sobre o Jabal al-Lawz.

Jabal al-Lawz foi previamente identificado como o possível local do Monte Sinai, mas os estudiosos duvidam dessa teoria.

“Não há evidências históricas, geográficas, arqueológicas ou bíblicas confiáveis ​​para a tese de que o Monte Sinai está em Jabal al-Lawz na Arábia Saudita”, disse o pesquisador criacionista Gordon Franz.

Mauro também disse ao Daily Star Online que há evidências de que Moisés dividiu o mar no Golfo de Aqaba na moderna praia de Nuweiba. Lá, a travessia teria apenas oito milhas de largura e uma profundidade de apenas 33 metros (108 pés).

“Vai levar algum tempo para trazer essa teoria alternativa para a historiografia tradicional, mas acredito que nosso trabalho vai mudar seriamente a paisagem sobre esse assunto”, disse Mauro.

Os estudiosos do mainstream duvidam seriamente da historicidade dos eventos registrados em Êxodo devido à falta de evidências arqueológicas.

Mauro os encoraja a ter uma mente aberta.

“Basicamente diria a alguém que é (cético) sobre o Êxodo para manter uma mente aberta sobre o assunto”, disse ele. “Esses eventos realmente aconteceram. Não é necessário acreditar em uma dessas religiões para aceitar as provas.”

Mauro disse que sua equipe está atualmente tentando montar uma estrutura exata de cronograma e mapa para o Exodus com base em suas descobertas.

“O que eu encontrei lá foi simplesmente alucinante. Eu não pude acreditar que havia toda essa evidência para o Êxodo e dificilmente alguém fora desta região estava ciente disso.”



Fonte: Guia me