Quando chega a manhã
 | Pão Diário

18

Era tarde quando paramos numa pousada na Alemanha. Nosso quarto era acolhedor e tinha uma varanda, embora a névoa tornasse impossível ver por entre a escuridão. Mas, horas mais tarde, quando o sol se levantou, a névoa desvaneceu. E pudemos ver — uma cena idílica, que tinha sido severamente envolta em névoas na noite anterior, — nos prados verdes, o pasto com ovelhas calmas e exuberantes com pequenos sinos tilintando em seus pescoços, e grandes nuvens no céu que pareciam ovelhas enormes e macias.

Às vezes a vida pode ficar encoberta por uma densa névoa de desespero. Nossa situação pode parecer tão difícil que começamos a perder a esperança. Mas, assim como o sol que afasta a névoa, a nossa fé em Deus pode afastar a onda de dúvida. Hebreus 11 define a fé como: “a convicção de fatos que se não veem” (v.1). Essa passagem continua a lembrar-nos da fé de Noé, e que: “pela fé, Noé, divinamente instruído acerca de acontecimentos que ainda não se viam e sendo temente a Deus”, o obedeceu (v.7). E Abraão, que, foi onde Deus o enviou, mesmo não sabendo para qual local estava indo (v.8).

Embora nem sempre podemos vê-lo ou sentir a Sua presença, Deus está sempre presente e nos ajudará a passar pelas noites mais escuras.

A fé é como o radar que enxerga em meio ao nevoeiro. 
Corrie ten Boom



Fonte: Pão Diário