Evangélicos em Cuba crescem, apesar do controle e repressão do governo

Da Redação

Após anos de crescimento constante, os evangélicos atualmente representam cerca de 10% da população cubana. Foto: Reprodução

Como qualquer outro Estado-membro da ONU, Cuba foi revista no início deste ano no âmbito da Revisão Periódica Universal (RPU) realizada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra. Nesta ocasião, nosso Escritório de Ligação de Genebra trabalhou em um relatório explicando a situação das igrejas evangélicas em Cuba. Após anos de crescimento constante, os evangélicos atualmente representam cerca de 10% da população cubana. Enquanto uma pequena minoria de igrejas é protegida, a maioria ainda enfrenta algumas formas de restrição e ainda espera que o governo garanta mais liberdade. Neste contexto atual, não foi possível criar uma Aliança Evangélica em Cuba.

As igrejas protegidas:  Desde 1959, Cuba tentou garantir o apoio de igrejas estabelecidas, às vezes pela força. As igrejas que aceitam a teologia da libertação estão próximas do Estado e têm condições favoráveis. Eles representam 8% dos protestantes evangélicos em Cuba e são filiados ao Conselho Cubano de Igrejas. Durante a RPU, relatórios de igrejas evangélicas pertencentes a esse grupo foram submetidos à ONU e elogiaram a atitude dos governos em relação à liberdade religiosa. Infelizmente, esses relatórios não são de forma alguma representativos da situação das igrejas evangélicas em geral.

+ Alerta: 327 milhões de cristãos vivem em países onde há perseguição religiosa

Igrejas reprimidas: De fato, 80% dos evangélicos pertencem a um segundo grupo que não possui os mesmos privilégios que o primeiro grupo, porque quer se concentrar no evangelho e ser politicamente não-alinhados. Consequentemente, as denominações presentes em Cuba antes de 1959, mas que não querem afiliar-se ao Conselho da Igreja Cubana, sofreram severa perseguição no século passado (confisco de seminário, sentenças de prisão para pastores, etc.). Mesmo que sua situação tenha melhorado muito desde os anos 90, em comparação com a severa perseguição sofrida nos anos 60 e 70, eles ainda são tolerados na melhor das hipóteses. Até agora, o governo se recusou a se organizar como a “Aliança Evangélica Cubana”. Sendo tolerados mas não reconhecidos, muitos se reúnem ilegalmente em igrejas domiciliares, pois não recebem permissão de construção ou autorização para se reunir em lugares maiores. Eles enfrentam confisco, demolição e seus líderes ainda podem ser presos. De fato, alguns pastores foram presos ainda recentemente e depois libertados.

Igrejas ilegais e perseguidas: As  igrejas estabelecidas depois de 1959 em Cuba enfrentam as condições mais difíceis, porque são consideradas ilegais. Eles representam 12% dos evangélicos cubanos. Alguns estão no país há mais de 30 anos, mas ainda não podem se registrar no Ministério da Justiça de Cuba. Seus locais de reunião podem ser destruídos e seus líderes presos. Assim, dezenas de pastores são regularmente assediados e presos. Alguns foram injustamente sentenciados em tribunal, como o pastor Núñez Velázquez, que foi condenado em outubro de 2016 a uma prisão domiciliária de um ano.

O Conselho de Direitos Humanos perde a oportunidade de aumentar as restrições à liberdade religiosa de Cuba

Lamentavelmente, durante a recente revisão da RPU em 16 de maio pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, apenas a situação do primeiro grupo das Igrejas protegidas foi mencionada. Cuba afirmou que “nenhuma restrição e barreiras impediam as associações religiosas de exercer livremente seu direito”. Isso não é verdade para mais de 90% dos evangélicos em Cuba. Quatro relatórios chamaram a atenção para as restrições à liberdade de religião em Cuba e à situação das minorias religiosas em Cuba – pela Aliança Evangélica Mundial  (em francês), pela Christian Solidarity Worldwide  (em inglês), pelo Instituto Patmos  (em espanhol) e por ADF International (em inglês). Foi perturbador que, apesar destes relatórios, nenhum Estado tenha levantado comentários críticos sobre a liberdade religiosa em Cuba, enquanto a Índia, Moçambique e os Emirados Árabes Unidos elogiaram Cuba pela promoção da liberdade de religião.

Cristãos em Cuba pedem oração pelo país

Cristãos em Cuba oram para que seu governo lhes conceda mais liberdade no futuro. Eles esperam que as denominações que solicitarem o registro sejam reconhecidas e possam operar livremente sob uma regra justa de direito. Eles também esperam que seu governo venha a perceber que os evangélicos não são uma ameaça nem uma força de oposição política, mas uma bênção para seu país, porque os cristãos oram por seu governo e querem servir ao bem comum.

Com informações TCP



Fonte: JM Noticias