Jesus Anda Sobre as Águas | Jesus Anda Sobre o Mar

Jesus Anda Sobre as Águas

Nos Evangelhos de Mateus 14:22-33, Marcos 6:45-53, e João 6:16-21, encontramos a passagem em que Jesus anda sobre as águas. Neste grande milagre, o Apóstolo Pedro também caminhou sobre o mar.

A história em que Jesus andou sobre as águas acorreu por volta do ano 27 depois de Cristo, na trigésima primeira semana do Seu ministério (o ministério de Jesus durou 70 semanas).

Jesus tinha anteriormente manifestado do Seu poder e graça, quando multiplicou cinco pães e dois peixinhos, quando alimentou uma grande multidão. Eles estavam próximos a cidade de Tiberíades.

Apos ter despedido aquelas pessoas, o Mestre sentiu necessidade de também levar o Evangelho às demais cidades em volta do mar da Galileia. E para que isso fosse possível, precisava atravessar para o outro lado, para a região da cidade de Betsaida.

Mas Jesus enviou os seus discípulos a Sua frente, enquanto subia a um monte para orar. Provavelmente o Mestre subiu ao que ficou mais tarde na história, conhecido pelo nome de monte Berenice.

Do topo deste monte é possível ver toda a cidade de Tiberíades, a planície de Genesaré, um pouco mais ao norte, e também Jesus poderia ter avistado o barco dos Seus discípulos, em sua trajetória dificultosa:

E logo ordenou Jesus que os seus discípulos entrassem no barco, e fossem adiante para o outro lado, enquanto despedia a multidão.

E, despedida a multidão, subiu ao monte para orar, à parte. E, chegada já a tarde, estava ali só.
Mateus 14:22,23

O mar se levanta com vento contrário

E o mar se levantou, porque um grande vento assoprava.
João 6:18

Eles estavam no lado ocidental do lago de Kineret, e navegavam na direção nordeste. Este é o mesmo local onde Jesus acalmou a tempestade. O mar da Galileia tem aproximadamente 11,27 km de largura.

O texto de Mateus e Marcos nos informam que o barco dos discípulos estava na meio do mar, ou seja, eles tinham navegado apenas cerca 5,63 km, por causa do vento forte.

E o barco estava já no meio do mar, açoitado pelas ondas; porque o vento era contrário;
Mateus 14:24

O Evangelho de João nos dá mais detalhes, dizendo que os Apóstolos tinham navegado 25 ou 30 estádios, que equivalem a 6 km.

E, tendo navegado uns vinte e cinco ou trinta estádios, viram a Jesus, andando sobre o mar e aproximando-se do barco; e temeram.
João 6:19

O vento que causa as tempestades no mar da Galileia, é proveniente do deserto do Saara, que é canalizado pela fenda Siro-africana, desde o Mar Vermelho, no Golfo de Ácaba, subindo até a Galileia, pelo vale do rio Jordão.

 a tempestades no mar da galileia, quando jesus anda sobre as águas

Jesus anda sobre as águas mesmo na tempestade formada pelos ventos provenientes do Saara.

Jesus anda sobre as águas na quarta vigília

Mas, à quarta vigília da noite, dirigiu-se Jesus para eles, andando por cima do mar.
Mateus 14:25

A noite era dividida em quatro partes, em que as sentinelas deveriam guardar/proteger os seus postos:

  1. A primeira vigília: começava no por do sol, e terminava às 21 horas;
  2. A segunda vigília: das 21 horas à meia-noite;
  3. A terceira vigília: de meia-noite às 3 horas; e
  4. A quarta vigília: das 3 horas até o nascer do sol.

Então perceba que os discípulos ficaram toda a noite navegando, remando, mas não conseguiam avançar para a cidade de Betsaida. Eles continuavam no meio do mar, certamente já muito cansados de lutar contra o vento.

A noite tem um significado de tempo de dificuldade. Juntamente com as ondas se elevando por causa do vento, esse significado simbólico fica inda mais intenso.

E repare que o vento contrário, vinha de uma “brecha”, de um local distante, do Saara, e que penetrava nas terras de Israel, causando tempestades no norte do país.

Talvez os Apóstolos nem imaginavam a origem desse “vento” que impedia o barco de prosseguir. O barco é uma alegoria para o curso da nossa vida. Há problemas que podem estar surgindo de “locais distantes”. São ventos que vem de longe, que encontraram alguma “brecha”, e estão “balançando” o “barco da nossa vida”.

E essa dificuldade pode durar toda a noite, mas sabemos que a alegria virá pela manhã.

É um fantasma!

E os discípulos, vendo-o andando sobre o mar, assustaram-se, dizendo: É um fantasma. E gritaram com medo.
Mateus 14:26

O interessante do verso de Mateus 14:26, é notar que os discípulos não eram homens supersticiosos. Eles tiveram diversas experiências espirituais com Jesus. Viram o Mestre expulsar muito demônios, como foi com o endemoninhado Gadareno.

E eles acreditavam em Deus, mas sabiam que o adversário também tinha as forças do mal, e que havia uma batalha espiritual, da qual eles estavam participando, juntamente com o Mestre

Por isso quando viram Jesus andar sobre as águas, um milagre de uma grandeza jamais vista na história da fé, eles pensaram que era um contra-ataque de satanás, uma tentativa de vingança por estarem ajudando a destruir as obras do inimigo.

É por isso que o manuscrito de Jean Cinqarbres, em Hebraico, usando os termos מזיק היא “maziq hi”, registra que os discípulos disseram, “é o maligno“.

O manuscrito de Shem Tov, do Evangelho de Mateus em Hebraico, traz os termos בחשבם שהיה שד “bechashavam she hayah shed”, que significam “eles [os discípulos] pensaram que era um demônio/espírito maligno“.

mateus 14:26 em hebraico, jesus anda sobre as águas

Jesus anda sobre as águas em Hebraico: ucaasher rauhu talmidav halach bayam nivhalu basar bechashavam she hayah shed umerov pachdam hayu tsoaquim.

Gritaram com medo

Mateus 14:26, continua a sua narrativa em Hebraico, e Shem Tov registra a parte que diz “e gritaram com medo“, com os termos  ומרוב פחדם היו צועקים “umerov pachdam hayu tsoaquim” – “e no maior de seus medos, eles estavam clamando“.

Isso porque o verbo לִצְעוֹק “lits’ôq”, não significa apenas “gritar“, podendo ser traduzido como “clamar“. Foi essa mesma palavra que o cego Bartimeu usou, quando clamou a Jesus em Jericó.

Foi esse mesmo verbo que a mulher Cananeia, usou quando clamou a Jesus para libertar a sua filha.

E outros marinheiros que também estavam no meio do mar, enfrentando uma tempestade, também “clamaram“, usando o mesmo termo, quando Jonas se escondeu no navio que ia para Társis.

E esse é o tipo de clamor, um pedido de socorro direcionado para Deus. Os discípulos pensaram que estavam sofrendo um ataque do maligno, e imediatamente começaram a clamar, a pedir o socorro do Eterno.

E o mais interessante é o verso seguinte que diz:

Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo: Tende bom ânimo, sou eu, não temais.
Mateus 14:27

Ocorre que para os termos “lhes falou“, em Hebraico, são as palavras ענה להם “anah lahem” – “E Ele lhes respondeu“.

Ou seja, os Apóstolos “clamaram” a Deus por socorro, pois pensaram que estavam sendo atacados pelo maligno, e quem responde a essa oração é Jesus.

A oração/clamor foi dirigida a Deus, e a resposta veio imediatamente, Jesus respondeu ao clamor dos discípulos. Jesus respondeu a oração dirigida a Deus, porque Jesus é o Eterno!

Essa passagem em que Jesus anda sobre as águas é uma revelação da identidade divina de Jesus. Ele é o Eterno.

Pedro anda sobre as águas

Também vale a pena examinar nessa passagem, a parte em que Pedro andou sobre o mar. Ao receber a resposta de Jesus, Pedro faz uma prova ao Mestre:

E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas.
Mateus 14:28

O que foi prontamente aceito pelo Senhor dos ventos e dos mares:

E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus.
Mateus 14:29

O texto em Hebraico, para as palavras “descendo do barco“, usa o verbo לָרֶדֶת “laredet”, que significa “descer/diminuir/humilhar-se“. Pedro, para andar sobre o mar, teve que “descer/diminuir-se”. Ou seja, ele teve que deixar a sua auto-confiança, para passar a confiar/depender somente de Jesus.

Ali, caminhando sobre as águas, não mais valia as leis da física. O barco em que estavam, representava a proteção do mundo físico, o meio em que eles estavam acostumados, a segurança do meio material.

Mas no meio do mar, essa confiança na materialidade de nada adiantava. E Pedro, mesmo que por alguns instantes caminhou sobre o mar. Ou seja, por alguns momentos ele confiou na palavra de Jesus, e “andou na pura espiritualidade”.

Mas não durou muito:

Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me!
Mateus 14:30

Pedro começa a afundar

Quando temeu, Pedro começou a afundar no mar. Apesar de Jesus estar diante dele, e de ter caminhado sobre as águas, há revelações que o homem não está preparado para receber. Há milagres que são de tal magnitude que o homem não tem capacidade de compreender.

E com essa incapacidade humana, vem a dúvida e o medo. Mas o Apóstolo Pedro sabia que podia clamar, e ele usa novamente o verbo  לִצְעוֹק “lits’ôq”, dizendo “Senhor, salva-me”.

A palavra “salva-me”, aqui, é o verbo לְהוֹשִׁיעַ “lehoshia”, um termo que aponta para a missão da vida de Jesus. O nome de Jesus em Hebraico é ישוע Yeshua, que vem da mesma raiz, do verbo להושיע “lehoshia”, “salvar”. Jesus significa, “Ele salvará”.

Por isso, o Mestre estende a sua mão para salvar o Apóstolo Pedro:

E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste?
Mateus 14:31

É muito significativo que Jesus tenha estendido a sua mão para salvar Pedro, pois mais adiante na história da crucificação, o Mestre estenderia as Suas mãos para salvar toda a humanidade.

Jesus anda sobre as águas

É um milagre que nenhum Profeta fez. Moisés “abriu” o mar vermelho, para que o povo passasse em terra seca. Com Josué, e com Eliseu, as águas do rio Jordão pararam, e apareceu a terra seca, por onde puderam passar.

Mas com Jesus algo de uma dimensão inédita aconteceu. Ele não precisou “abrir” o mar, simplesmente, Jesus anda sobre as águas. É muito mais poder manifestado, de uma grandeza infinitamente superior.

Na Bíblia, é dito que somente o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. O único que na antiga aliança, caminhou/moveu-se sobre as águas foi o Espírito de Deus, e o Espírito de Deus é o próprio Eterno.

…e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.
Gênesis 1:2

Jesus também caminhou sobre as águas, porque Jesus é o Eterno!

O teu caminho é no mar, e as tuas veredas nas águas grandes, e os teus passos não são conhecidos.
Salmos 77:19

Fonte: Brasil Gospel Club